quinta-feira, 25 de fevereiro de 2010

O Festim!



De repente, a vontade irrefreável. Iria devorar a vizinha do apartamento em frente. Estava resoluto. Que as convenções e regras fossem às favas. A mulher daria uma belíssima refeição.Uma não.Várias. Poderia armazenar no enorme freezer,e passar muito tempo se deliciando. Bom, para dizer a verdade, não sabia se realmente a carne humana era saborosa. A pesquisa pela Internet aguçou ainda mais sua curiosidade sobre rituais antropofágicos entre os povos indígenas. Alguns meses estudando o assunto e ainda não chegara ao ponto. O seu ponto. O porquê da salivação e a sensação indefinível, que ficava oposicional entre uma atração física e intelectual pela mulher, e uma rejeição por tudo que ela representava.Mas o que mais, especificamente, aquela mulher, que encontrava no elevador, carregada de livros e pastas, significava? Boa pergunta. Estava ficando louco? Talvez. A expressão de curiosidade do vendedor da loja de equipamentos para açougues, quando pediu explicações de como separar membros, evitando cartilagens mais espessas e o uso de vários tipos de facas e cutelos, talvez seu semblante ao imaginar o corpo da mulher sobre sua mesa, totalmente entregue, o denunciasse. Dane-se!Ia assumir para si o risco. Sabia que aquilo não tinha como acabar bem. Poderia, e muito provavelmente, seria preso. Ou não!Existia a possibilidade de fugir. Mas algo lhe dizia que o hábito recém desperto o acompanharia.
Mas havia o acompanhamento. Junto com a carne, consumiria pequenos pedaços de cada página daqueles livros, de autores autônomos de pensamentos -por algum motivo, eles eram uma ameaça- e aquele orgulho dela em mostrar que bebia daquela escrita, o irritava e fascinava. Os cd´s que ela escutava em um volume que invadia o corredor e sua mente. Árias. Teria que moer o acrílico e transformar em pó para consumir.
Convidá-la para um jantar em seu apartamento, foi relativamente fácil. Ele sentiu que algo nele a atraía, talvez algo primal, o fascínio da presa pelo predador.
O ritual estava todo preparado. Talheres de prata, as velas,o vinho e embaixo da mesa, toda a parafernália necessária para a execução do ritual.
A campainha tocou.
Ele ansioso, abriu, e lá estava ela,com um bonito vestido cor de sangue.

33 comentários:

Carlos Alberto Mota Candreva disse...

Isso me lembro Hannibal, sério. Curti. Apesar de não entender esse desejo enlouquecido dele de querer consumir a garota, talvez algo animalesco, mas continue assim, ficou ótimo...

http://candrevasblog.blogspot.com/

Ítalo Richard disse...

Tenebroso, arrepiante e sexy!
Gostei do texto.
abraço

Anônimo disse...

Fabio,voce passeia em varios generos com uma naturalidade esplendida.Mas esta cronica-conto ficou como disse o amigo acima,algo extremamente sensual e lascivo.Antropofagismo cultural erotico rsrsrsrss.

Carlos
http://carlosalexlima.blogspot.com/

Bikelando disse...

Também me fez lembrar muito de Hanibal!!
E que medo dessa personagem!! rsrs

BLOGUEIRO EXECUTIVO disse...

Tenebroso, arrepiante e sexy! (2), sua literatura vem me apaixonando, pois é eclético demais cada caractere diferencial de sua literatura especial!

Tatiana disse...

Vou tomar mais cuidado com convites vizinhísticos..rsrs
interessante seu texto, diria altamente "apetitoso"... leitura saborosa..
;)

http://coracaoonline.blogspot.com

Pobre esponja disse...

Primeiro come, depois come, hehehe.
Mas não curto esse lance de canibalismos (não que vc curta, é um texto).
Me lembro, assim por cima, de um americano, que tinha uma posição financeira boa, um cara "comum" em cuja geladeira se encontravam várias vítimas... maior dó!

abç
Pobre Esponja

Heberty Henrique disse...

cara... essa parada de canibalismo é cabulosa... eu nao curto. mas tb lembro do caso do cara americano. pow, o cara tinha tudo e fez uma obra errada dessas. pra onde o mundo vai?!

abraços
Heberty Henrique
www.informaticandobr.blogspot.com

José Sérgio Bechler disse...

Fábio! Gostei deste texto! E digo poruquê: Ele está mais enxuto, menos conjunções e adjetivos do que nos outros. A leitura flui melhor. "As conjunções os adjvetivos são o veveno dos textos". E tu conseguiu escapar desse veneno muito bem!
Parabéns!

karine disse...

Devo confessar que soou meio canibal , ou um fã dessa modalidade.
Medo, mas se for comer o cheiro, a inteligência, a presença, tá valendo.
Muito legal o texto!

Anônimo disse...

Rituais assim eram comuns entre os indigenas para um vitória "completa"sobre o inimigo.Dai chegaram os brancos com suas leis e disvirtuaram um ritual que por mais cruel que pareça tinha uma importância social muito grande para eles.Perfeito o conto,milimétrico,incisivo e agora que cheguei já virei fã e voltarei.
Vando
http://balneariolevi.blogspot.com/

AtReViDo disse...

Gostei muito dos seus contos, seguirei ele para poder lelos com mais calma. Sucesso

Davi Alves disse...

Tenebroso, arrepiante e sexy! [2]

EXCELENTE TEXTO, QUE LEVEZA PARA ESCREVER, CARA REALMENTE TU TA FAZENDO O QUE NO BLOG? RS


VISITA LA ,E VE TU GOSTA , A GENTE PODE TROCAR POSTS ,ABS.

WWW.CONTEMPORANEOEINDISCRETO.BLOGSPOT.COM

marjoriebier disse...

Eu gosto quando tu não escorrega em adjetivos que nada tem a ver entre si, permitindo que o texto se desenhe propositalmente brutal. Antropofagia indígena me grita quase contraditório, já que o instinto animal e inculto é o que impera. Gosto - e muito - da ideia, mas não aprecio a mistura de linguagens.

Bj

ϟ $нιяσ 「 ホワイト 」 disse...

Nossa um modo bem diferente de se descrever um encontro/jantar D:

medo disso
UIASHDIUASHDIU
e essa foto da postagem me assustou '-'

www.kernstorge.blogspot.com
Segue/Comenta - So thank's

;*

Adubados® disse...

mt boa essa imagem, várias partes do textos são indiretamente ligados e até msm diretamente.

Adubados®
...pois nem todo adubo é merda!

http://adubados.blogspot.com

Áℓℓαη Brєєzソ disse...

muito legal seu blog
e os posts tbm são ótimos

JASMINE TIGER disse...

GOSTEI MT DO SEU BLOG ...ACHEI SEUS TEXTO TENEBROSOS ,MAIS ADOREIIIIIIIIIII

Dih disse...

Tenebroso, arrepiante....muito massa!
Aonde vc se expirar em brother?

parabens mesmo!

Nicole disse...

Texto forte e repugnante.
Hm, você também é de Santo Ângelo, legal.

Lucy disse...

Seu texto me instigou a mente, admiro sua audácia em tratar de um assunto assim, realmente conseguiu o que imagino que queria, nunca li nada desse tipo, e foi ótimo, parabéns pela personalidade.

Café disse...

Foda Pácas =D.
tu escreve bem e acho bacana textos do tipo xD.
Abraços

http://cafeholandes.blogspot.com

roberyk disse...

Totalmente de acordo com a postagem do Zé. Gostei dessa exploração sombria sobre o tema. E não me surpreendo com a versatilidade do amigo. Vejo alguns textos de autores que se atém repetidamente no mesmo ritualismo, como se todo o resto fosse cópia do primeiro texto.
Parabéns.

♫ Angélica ♥ Kawai ♪ disse...

Meu deus... Espero que não seja um Diário... XD

Eunísia disse...

Texto inteligente, cheio de rituais, canibalismo e amparado parafenália toda. Danados aqueles "pequenos pedaços de cada página dos livros, de autores autônomos de pensamentos -por algum motivo, eles eram uma ameaça." Poxa que frustação!!!

Thiago Nardi disse...

Muito bom cara, o conto está classudo como sempre.. tu sabe q eu admiro pra caralho teu trampo
abraço!

Matheus Rego disse...

Cara parabéns pelo texto! Muito bom mesmo! Queria lhe indicar um texto que escrevi, pois queria ter sua opnião a respeito também. Acredito que em algum nivel se relacione com o que você escreveu aqui. Com a natureza de alguns homens em arriscar-se frente a selvageria.

Belo ensaio. Belo blog. Estou seguindo!

O site do texto é esse: http://boitedufilm.blogspot.com/

Rafael Bardo disse...

muito bom o texto! repugnância e atração se confundem ao ler a cronica!
Parabens

Raiana Reis disse...

Muito bem costurado o texto, a mistura da sensualidade com o monstruoso, as várias possibilidades de interpretação... Parabéns!

J.W disse...

Eu não gosto muito desses negócios canibais sabe, mais não consegui parar de leer, muuito bom

saudeecompanhia disse...

Interessante seus contos.Você sempre surpreendendo...

Blog do Camelo disse...

No minimo CUIDADO AO ABRIR A PORTA...hehehehe ... muito bom ... estilo Alfred Ric...alguma coisa huauhhuaa num sei escrever o nome dele ... bacana mesmo o seu trabalho, parabéns ai ...

Loraine disse...

Uau ;D
é interessante essa vontade do consumo (literalmente) da mulher. É impressionante, e prende bastante ;D