domingo, 10 de janeiro de 2010

As flores do mal!



A chuva era incessante. A tela da tevê exibia em preto e branco, "Os Três Patetas no exército". Já havia assistido diversas vezes. Achava muito engraçado, mas se alguém estivesse olhando seu rosto, não diria. Ria somente com o cérebro. O cansaço era absoluto. Cada feixe de músculo parecia retesado, como em constante tensão. Isso o aprisionava na confortável poltrona. Ao lado, várias garrafas de cerveja, já vazias.
A rotina da vida que escolhera, ainda na infãncia, estava cobrando um preço altíssimo. Parecia que queria engolí-lo.
A pouco, fora até a porta do quarto, onde a mulher dormia, a sono solto. Se não fosse por ela,teria abandonado o barco. Quatro da manhã e o sono não se fez amigo.
O apocalipse, que os pais tentaram lhe passar, nos ritos de domingo, parecia finalmente se tornar concreto, sólido e cortante, como um bisturi.
O último plantão tinha apresentado um saldo devastador. Uma criança morta por maus tratos, outra em estado grave devido a queimaduras (bebê assadinho?hahahaha!) e uma jovem mãe, com traumatismo craniano, por espancamento. O mal estar subia até a garganta, em forma de fel amargo. Seu organismo pedia alguma solução.
A garota de treze anos que surgiu a frente, conduzida pelos companheiros, pareceu fechar o círculo dos horrores, que aquelas últimas doze horas haviam lhe apresentado.
O rosto bonito, extremamente anguloso, contrastava com o corpo esquelético e os cabelos volumosos que tornavam a cabeça grande, como a de uma marionete. Os movimentos sensuais, que tentava executar, se faziam necessários para completar a proposta de programa por oito reais. O desespero pela pedra era o fim de qualquer tipo de resistência. Ela faria qualquer coisa pelos oito reais. Ele teve certeza disso quando olhou nos olhos dela. O filho, que estava distante, apareceu na mente. Poderia ser ele.
O estômago se contraiu e teve que abandonar o conforto do assento em que estava instalado e correr até o vaso sanitário, onde vomitou o acre que vinha lhe fazendo muito mal. O corpo doía e uma sensação de incompleição o invadiu com força.
Abriu o armarinho do banheiro e pegou atrás dos produtos de higiene, o frasco de morfina...

24 comentários:

Fabio Bustamante disse...

Gostei do blog. O layout ficou bom, com textos em todas as partes. Achei esta postagem interessante, pois é um texto pequeno, mas que passa várias coisas. Isso cabe a todo conteúdo do blog.

www.botecodohumor.blogspot.com

Jessie. disse...

Gostei muito do blog. O texto é incrível, conseguiu transmitir muito bem a sensação do personagem, a angustia e tristeza. Parabéns

___
http://sucha-small-world.blogspot.com/

Alan Salgueiro disse...

é um texto que requer uma atenção especial, a gente vai enquadrando os fatos aos cenários e momentos de acordo com a leitura de cada período, uma leitura de sensações acima de tudo.

roberyk disse...

Andou lendo meus pensamentos? Fora a morfina, são necessárias muitas cervejas. Ontem mesmo,enquanto lanchava no centro, dois meninos, velhos conhecidos, afundavam a rua num galope incessante em busca de moedas para o crack.
Este é um perfeito retrato do meu mundo cão.
Parabéns.

Duchamp disse...

Olá!
Excelente texto.
Muito bem escrito e conseguiu passar muito bem os sentimentos da personagem. Parabéns!
Passarei por aqui outras vezes, pode apostar.

Abraços

A.C Once Caldas - SM disse...

é o mundo de todos nós .. o triste é a gente estar comendo e ver que algumas pessoas passam necessidades :/ .. mas quem sabe um dia mude .. prabens pelo texto

Ana Lucia Nicolau disse...

Oi amigo, nossa "viajei" no seu texto! ótimo
abs

Camila A. disse...

Muito bom texto, bem escrito e bem real.

Jornal disse...

Adorei o texto!parabéns!

Leandro disse...

legal isso ai de missoes cara..do seu inicial...
abraços

-


Um pequeno mundo - (Novo site de tirinhas)
Job, Lob e sua turma espera sua visita!
www.umpequenomundo.com/
Twitter: @umpequenomundo
abraços!

João Gabriel Pontes disse...

Muito bom o post, e excelente blog!
Está de parabéns, mesmo!
Abraço!

Nova Quahog disse...

MUITO BOM
VALEU A PENA!

Gutt e Ariane disse...

Que peso na consciência é esse não é mesmo? Viver numa realidade assim é realmente angustiante... não há como haver mesmo espaço para risadas; Infelizmente.
Em pensar que, dessa ficção muitissimas pessoas fazem realidade... aliás,dai para pior!
Muíto prazeroso de se ler...apesar do contexto forte, flui naturalmente.

Geninho.. disse...

Intaum é a realidade....LOCA...Cada dia mais!! é bacana pessoas que consegue enchegar isso como realmente é...Tragico....Porem qual realidade é menos sofrida a da pedra ou qual a pessoa vive..abraços gostei mto do texto... http://cotidianodesvaneio.blogspot.com/

Daniel Silva disse...

o que acho legal é que você tem a verdadeira noção de como fazer um texto pra blog, não exagerando no tamanho e tal.

abraço

Macaco Pipi disse...

QUE LINDO IRMÃO, FICA NA PAZ!

Jhu disse...

Adorei o blog, e achei o texto muito bom. Gostaria de escrever como vc!

Rodolfo Soares disse...

Gostei do Texto, me trouxe paz!!

Já to seguindo o blog!

Abraços
www.borarir.com

Camila disse...

Uau, prendi completamente minha atenção em cada palavra, rs.
Muito bom.
Deve ser difícil conviver com imagens dessas na cabeça.
Eu acho que não aguentaria,rs.

Beijos

Eduardo Matzembacher Frizzo disse...

Angústia e solidão na madrugada de um médico. Drogas para aplacar o tato com a realidade. Por isso que, na minha modesta opinião, acho que praticamente todos os profissionais da saúde são viciados em algum narcótico, seja qual for. Talvez essa seja a sina da vida: enquanto uns se contentam com o sofrimento da novela das oito, outros, como que para purgar seu talento, convivem com a tragédia dia após dia. E são pouquíssimos aqueles que conseguem suportá-la. Portanto, texto cortante e real. Gostei. Com estima, Eduardo Matzembacher Frizzo (do blog http://insufilme.blogspot.com/). P.S.: e já tem novo post lá minha casa internáutica.

Robinho Bravo disse...

"a mente humana se auto-complica para muitas vezes se libertar"

não lembro quem foi que disse isso, mas se enquadra bem!

Arthur disse...

Obrigado pelo comentário nomeu blog.
Muito bom o seu...Inteligente.

30 e poucos anos. disse...

Muito bem narrado...da para construir o cenário na mente e acompanhar passo a passo

Rodolfo Soares disse...

Muito bem escrito... é uma narrativa interessante... é até um pouco aterrorizante kkkk

Abraços
www.borarir.com