segunda-feira, 25 de janeiro de 2010

Banquete com mendigos ! (II)




Merda!
Era surpreendente, mas havia merda na escadaria da Catedral. O Bispo já fora avisado por um padre assustado. O inferno de Dante pintado em cores berrantes e sujas no centro histórico da cidade. O vigia recebeu ordens de fechar imediatamente as portas à visitação.
A Brigada fora avisada, mas como prender mais de duzentas pessoas por vadiagem? As autoridades estavam assustadas, afinal havia sido gasto muito dinheiro na reforma do entorno da Igreja. Dantesco, diriam as damas e cavalheiros que foram impedidos de entrar para a missa dominical.
O cheiro fétido dos excrementos por sobre a escadaria aumentava a medida que o sol ia centralizando.
Os mendigos haviam chegado na calada da noite, como um bando de morcegos sedentos, bebendo e comendo restos de comidas catados nas lixeiras do centro.
O primeiro ato seria ali, para o horror das entidades. Briefings já começaram a se elaborar ali em meio a platéia que fora barrada do culto. Velhas canções de amor insatisfeito eram entoadas pelos mendigos,o acompanhamento por batidas nas latas que serviram de recepiente para a comida já azeda.
Em meio à confusão geral,o mendigo Perereca, falastrão, a voz arrastada e chata, dono de um extenso vocabulário das mais baixas impropéries assumiu o comando.
- Hoje vamos mostrar a todos o que realmente (hic) somos! Todos, mesmo vocês, filhos da puta engomados. Somos todos a mesma merda!(hic)
O chato homenzinho do rádio apareceu do nada ao lado do bêbado maltrapilho.
- Perereca, qual a intenção desse movimento?
Perereca olhou demoradamente ao baixinho e após vários soluços, respondeu.
- Ora, que intenção! Incomodar. O que mais seria? (hic) Vamos primeiro demarcar com nossa hepática urina esse território, para que a cada evento organizado com grandiosidade, lembrem que podemos realmente perturbar e chegar de uma hora para outra.
- Pretendem invadir outro local?
- Claro! (hic) Fevereiro está aí e queremos colocar nosso bloco na rua. Mas com isenção, pois não podemos pagar. Iremos fantasiados de nós mesmos.(hic). Depois mais adiante voltaremos para a Cidade dos Doces, pois vamos comer muito e jogar glacê na cara dos concidadãos, como uma legítima comédia pastelão que isso realmente é.(hic)
O homenzinho do rádio não se deu por vencido.
-Perereca, você não morreu de frio no último inverno? Acho que noticiei sua morte...
- Não! Estou mais vivo do que estava em julho.(hic) Na consciência de cada cidadão da cidade dos anjos.Agora me deixa que eu estou louco de fome, putaquepariu!

19 comentários:

deby disse...

O grupo de excluídos, coordenado pelo nosso conhecido Perereca, descobriu que aquele prédio imponente, por ser denominado "a casa de Deus", também o é dos homens, de todos os homens(sem exceção), e não somente dos que juntaram um papel (moeda)com a intenção de contabilizar, cada vez mais, em seus patrimônios.
Desse modo, decidiram barbarizar e escandalizar a sociedade que frequenta as missas, como forma de mostrar, que mesmo em espírito, os "pererecas" da vida, possuem contas a acertar...
Gostei muito do texto, da escrita fluente, que ao mesmo tempo que critica e expõe, também é leve e nos faz rir...
A sequencia "Banquete com mendigos" nos leva a imaginar a cena toda e ...rsrsrs... "torcer" pelos mendigos ...
Espero mais textos com esse enfoque.
bjo
Débora

Rodolfo Soares disse...

kkkkkkkkkk É um pouco engraçada, mas nos leva a refletir!!
Você tem talento!

Abraços
www.borarir.com

Vc curte rock? disse...

A desigualdade social realmente gera injustiças sérias.

Bom texto! Existe uma peça de teatro com esse nome? Acho que sim...

gostei!

roberyk disse...

Uma bela bofetada política,social e cultural. Um texto de linguagem simples, direta, permeado de entrelinhas que mais uma vez, sugerem grandes reflexões sobre a vida e a sociedade em suas variantes.
Gostei muito.

Inez disse...

Uma ótima reflexão sobre o papel da igrreja. De que adianta um igreja toda reformada, com lindas obras se ão recebe todos os fiéis independente de seu nível social.

marjoriebier disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Anônimo disse...

Zen como simpatizante do budismo como se indiguina com o caos social kkkkkkkkk.piadinha.Muito bom e a capacidade de fazer o leitor visualizar é única na blogosfera.

thunderbirdsampa

Silvio Junior Wencevoski disse...

Não só a desigualdade, mas também a falta de pessoas para fazer algo, falta de poder ou vontade de fazer.

Abraços.

Raquel Ramos disse...

Gostei cara muito bom. Obrigada pelo elogio ao layout do meu blog, está em fase de experimentação, hoje mesmo passou por mudanças, bom saber que está ficando bom

Renan Leal disse...

no início, pensei que fosse de verdade... kkkkkk... ótimo blog, otimo tesxto... parabééééns, e suceeeeeeeesso

José Sérgio Bechler disse...

Fábio! Ficou uma paoulada esse texto. Achei até melhor que o primeiro. Bom mesmo!
Abraço!

Jonas Alves disse...

Cara uqe texto forte,muito bem colocado,com comentarios na medida certa,parabens pelo blog,´pelo trabalho


passa lá no

http://www.contemporaneoeindiscreto.blogspot.com/


virei seguidor já!

Rodz Online disse...

É uma baita hipocrisia da igreja, com toda sua ostentação, seu luxo e seu ouro, virar as costas aqueles que são excluídos sociais.

abçs

http://rodzonline.blogspot.com/

-----------------------------------
Twitter: https://twitter.com/RodrigoTheRock
-----------------------------------Participe da Comunidade do Orkut Blogs sobre Rock e Cinema:
http://www.orkut.com.br/Main#Community?cmm=97308660

Superlativo disse...

Estarei sempre entre os mendigos, nem que seja mesmo em sua essência.

Passei aqui pra lhe informar que te indiquei um selo lá no meu blog, dê uma passada por lá!

Abração!

http://blogsuperlativo.blogspot.com/

Augusto Bier disse...

Ficou melhor que o primeiro, o texto tá mais sintético. Mas o encantamento que provoca tá confirmado. Eu acho que dá pra fazer um romance com essa trupe, em capítulos curtinhos. Também li teu comentário sobre a leprosa mencionada numa carta postada no blog da Eunísia. Acho que daria uma novela (Série Novelas/contos Missioneiras?). Eu posso revisar.

Diogo Malimpense disse...

Cara, você leva jeito pra isso. Eu adorei o texto! Abs.

WEL INFO disse...

Não é facil falar de determinados assuntos, a menos que tenha sabedoria. Esse texto mostra muito sobre isso. Kra parabéns pelo post ae. Retrata situações reflexivas e por hora engraçada...

♫ Angélica ♥ Kawai ♪ disse...

kk... é como o pessoal todo já disse. estou sem palavras para descrever. Me fez rever e repensar antigos conceitos, se eles estão certos ou se eles são uma ilusão criada por pessoas ao longo de uma vida desenformada..
Excelente post continue assim!

Pobre esponja disse...

Sou um mendigo
bem sucedido:
só comompão francês.

Este terceto de minha autoria é uma homenagem a essas pessoas que são tão humanos quanto nós. Pena que para sair da "invisibilidade" só quando eles "arranham" de alguma forma a classe média. Não me importam os motivos que os levaram a essa condição miserável, importa-me ajudá-los como voluntário a viverem um pouco, bem pouco mais dignamente.

abç
Pobre Esponja